terça-feira, 21 de janeiro de 2014

no inicio do ano fez 1 ano que tinha decidido uma nova era na sua vida, há um ano atrás tinha decidido que iria começar a fazer uma alimentação diferente!
Desde sempre que os animais, fossem eles quais fossem, exerciam sobre ela um grande fascínio, adorava-os a todos, bom não a todos... as aranhas, aranhões, aranhiços não eram de todo compreendidos por ela... podia até afirmar "não compreendo porque existem, são feios e medonhos, só de imaginar um a passear por cima de mim até fico com falta de ar" - dizia muitas vezes sempre que era questionada por gostar tanto de animais.
enfim, há um ano que era vegetariana ou melhor, depois de muito ler, ovolactovegetariana, uma vez que ainda ingeria derivados de animal. Carne e peixe deixara de fazer parte da sua alimentação. Sentia-se feliz por ter tomado esta decisão, sinceramente quando pensava nisso, acreditava que era mais difícil para os seus amigos e família do que propriamente para ela!
Era complicado por vezes, mas felizmente havia sempre alguém que compreendia e aceitava sem questionar ao ponto de ser ridículo!

A vida dela continuava parada, dia após dia sem uma resposta de trabalho, nada... até que apareceu através de uma amiga uma possibilidade. O problema é que colocou muitas expectativas nessa entrevista, não que tenha corrido bem, apenas não tinha sido o que tinha pensado. Resultado: desilusão!
Há cerca de 2 ou 3 dias estava deprimida, queria estar em casa, com os seus gatinhos - "passam o tempo a dormir, será normal? tenho de ir com eles ao vet, devia ir, saber se estão bem..."
O Ozzie tinha tido um piripaque no Natal em casa da mãe dela, aparentemente não se daria com a lareira, diferenças de temperatura talvez, enfim um gatinho que não teve o leitinho materno e talvez por isso não tinha muitas defesas.

Andava mesmo em baixo, era necessário alguma coisa na vida, um acontecimento, algo de bom, sentia-se sozinha, incompreendida pelo mundo - "que ridículo!! até parece que estou assim tão mal..." - mas por vezes era dificil de pensar o contrário, era triste, sabia que felizmente estava melhor do que outras pessoas.
Mas ultimamente não conseguia controlar esses sentimentos e pensamentos. Por isso, decidiu não sair, ficar por casa quieta e sossegada. Era o que fazia ou tentava fazer. Em outros tempos, continuava a sair a encontrar pessoas, mas as coisas nunca corriam bem, ficava mal-humorada, com mau ambiente e todos percebiam. Assim começou a ficar quieta, sozinha, podia barafustar que ninguém iria recriminar.
Era assim que estava... irrequieta e insatisfeita!